Mudando pra ser feliz

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Para recomeçar

O Ano Novo precisa bater à porta, começar, me mostrar que ainda é preciso "esperançar" e não "esperar".
E por isso, este texto de Quintana, ouvido agora cedo, combina tão bem com a foto do amor da minha vida, que me faz "esperançar" sempre que me desespero.
Bjs e o desejo de um 2013 espetacular.
Mima D.

Esperança
Mário Quintana

Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança...
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA...

Texto extraído do livro "
Nova Antologia Poética", Editora Globo - São Paulo, 1998, pág. 118.


terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Era uma vez...

E aconteceu. Depois de 25 anos voltei a dançar em cima da ponta, me apresentando...
Foi a melhor sensação do mundo.
Tensa porque desta vez além de dançar, havia a coordenação de tudo, palco, público, dançarinos...
Mas deu certo. Deu muito certo.
Feliz. Demais. 2013 já pode chegar....
Bjs
Mima D.


Rainha Má...

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

2012/2013

2012 veio me consumindo.
Não foi tempo só de coisas ruins, eu seria injusta com ele.
Foi tempo de muitas realizações, como a reconquista do ballet e a conquista no zouk.
Foi tempo de boas novas, de saber, há muito pouco, da volta de alguém que quero muito bem.
Foi tempo de me reconhecer alegre, especial e querida por muitas pessoas.
Mas também foi tempo de mágoas, de dores, de separações, de decepções e quebra de confiança.
Doeu e dói tudo que está acontecendo. Machuca pela sensação de incompetência que tantas vezes já descrevi aqui.
Mas quero continuar a crer que o melhor ainda está por vir.
E para reforçar, em mim mesma, esta ideia, vou deixar neste post as fotos daquilo que me trazem, ainda que tímida, esta esperança.

Rio das Ostras,  o meu eterno paraíso e refúgio...

Meu reencontro com o ballet rendeu...


Uma Rainha Má no espetáculo de final de ano... DESAFIO MASTER.

O anjo que nasceu para completar e iluminar minha vida... 
Faz um ano que Deus me fez tia deste Arthur...


De volta às corridas em 2013...

E também à natação com os Melhores da Madrugada...


 

Em 2012 além do Zouk e do Ballet, mais um ano de apresentações no aniversário do EDCP - 6 anos!


Vou voltar a recarregar as energias no lugar mais especial que minha Cidade Maravilhosa oferece...

 Projeto iniciado em 2012: taekwondo. Que renderá frutos de disciplina e autocontrole com o meu novo Mestre...

 Viagens que me trarão momentos de alegria e paz em meio aos dias de caos que podem acontecer em 2013...

 Não me abandonar mais em 2013, porque isto também faz parte da minha qualidade de vida...


E continuar acreditando SEMPRE nisso:  O MELHOR AINDA ESTÁ POR VIR.

Bjs
Mima D.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Talvez

Desapontamento é novamente a palavra de ordem.
Talvez eu precise mesmo aprender a parar de me deixar apanhar.
E hoje lendo o blog da Elenita, o Acasos Afortunados, me deparei com este post que encaixou 100% no meu momento.
E a frase que me sacudiu foi esta:

Talvez o que tenha que ser tenha realmente muita força.

Bjs

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Lixo

"Perdoar é fazer uma limpeza interior do lixo que alguém deixou em você."
Ando suja, muito, muito suja.
Precisando fazer essa limpeza o quanto antes, por dentro, por fora. Me organizar, me sentir finalmente livre desse lixo que eu guardo em mim e acumulo na alma, no corpo, na casa, na vida.
Bjs
Mima D.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Faz sentido...

Recebi esta frase hoje, via e-mail, e ela fez muito sentido pra mim.
Está difícil, mas eu me prometi continuar, levantar a cabeça, e sair de cena porque quem está incomodada sou eu e minha paz precisa valer mais que qualquer coisa.
O fim do mês está chegando, e de alguma forma, eu antecipei meu ano novo.

"Eu não deixo ninguém para trás.
Algumas pessoas é que me perdem um pouco a cada dia, e nem percebem!"

Bjs
Mima D.

PS1: Estou voltando pra esse meu canto. Aqui é que me faz bem. Aqui é onde eu posso expressar o que mais me incomoda, o que mais me alegra, o que mais me magoa. Todo resto está sendo deixado pra trás. Aos poucos, mais com vontade.

PS2: Agenda agora mais que lotada, pra cansar o corpo. O taekwondo passa a integrar minhas atividades, e apesar das dores, tem me dado tanto prazer quanto o ballet, que tem me deixado bem roxa com os ensaios pra apresentação no final do ano...

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Ao final, tudo dá certo (pelo menos para os outros...)

Algo que eu não queria, sinceramente, finalmente vai tomando corpo.
Mas é uma daquelas situações em que ou é isso, ou é algo pior, no sentido de criar uma imensa mágoa que jamais terá fim.
E assim vai ser.
Outubro negro, nublado, desconfortávelmente irrespirável.
Com os mesmos erros, as mesmas dores, o mesmo incômodo, a mesma sensação de não ter a certeza que a melhor decisão está sendo tomada.
A insegurança. A dor. O medo. A tristeza. Tudo misturado e aquecido pela falta de horizonte. Pelos apoios errados, pela agonia.

Me convenço, aos poucos, que o final deve ser sempre a melhor parte das coisas da minha vida. Quando tudo acaba, quando tudo se ajusta, quando as pessoas ficam bem, quando eu aceito ser errada, quando me convenço que falhei uma vez mais.
Os finais na minha vida servem pra isso, pra por o dedo onde mais dói e dizer: é assim que sempre vai ser, você jamais vai merecer o melhor, por sua incompetência, incapacidade, inflexibilidade, intolerância. Fracassada. Incapaz. Difícil.
Mas o final é redentor. Ao menos para os outros, que finalmente se libertam da danosa convivência comigo...

E se não for, assim será.
Novamente ocupando o corpo ao extremo para poder aguentar o vazio na alma.
Bjs

Mima D.

domingo, 9 de setembro de 2012

E assim foi... (EDITADO)

E assim foi... depois de muita ansiedade, medo, dúvidas, o Zouk nasceu...


Como disse o fiscal/professor/ coreógrafo/aniversariante Diego Garrido, pra quem falou que nunca ia se apresentar, eu estava lá.

 Renato e eu, trofeu ao final de tudo.
E se não fosse pelo mais novo parceiro, Renato, que me incentivou, ensaiou, esteve comigo até o momento final, eu também não teria chegado ao final.

Pedro e eu, depois de tudo, só pra registrar o momento.
Também, e mais importante, a força que o Pedro me deu sempre pra não largar tudo...

Por causa deles eu venci mais uma etapa e este momento ficou pra sempre como mais uma conquista.

Na ordem, meu parceiro, Renato, meu professor, Garrido, e meu incentivador, Pedro.

"- Já pensou no quanto de gente vai ficar te olhando, torcendo contra?
- Já. O tempo todo.
- E não te dá medo, não fica apavorada em não saber o que fazer, em errar?
- Não. Porque se eu estou ali e os outros estão olhando, é porque eu posso, é porque meu esforço está valendo a pena, está sendo reconhecido.
E mesmo que eu erre, que eu me perca, eu cheguei até ali, e ali já é longe pra caramba pra desistir só porque alguns não acham que eu mereça... "
(Diálogo interior de mim comigo mesma, em meio ao pânico que às vezes se instala, num momento "Ela está de volta para melhor"...) Em 31/8/12

"Para quem esteve comigo neste primeiro passo:
Deu medo? Sim... meu parceiro que o diga... Mas deu certo.
E não tem nada que apague esta sensação maravilhosa de saber valeu muito a pena...
Obrigada a quem torceu a favor... e a quem toceu contra, meu muito obrigada também, porque só fez me sentir ainda mais capaz de chegar sempre onde eu quero." Ontem, depois de tantas manifestações e elogios sobre a apresentação.


Bjs


* E para quem não viu o vídeo no FB...




domingo, 19 de agosto de 2012

Dos desafios que vem por aí...

* 07/09/12, nova apresentação, de um ritmo que ainda me assusta um pouco: Zouk.
* 08/12/12, primeira apresentação, depois de mais de 24 anos, no ballet. E não será apenas uma, e sim TRÊS coreografias, incluído aí, talvez, um solo.

E a luta pra me manter no prumo, com tudo que aconteceu e ainda está por acontecer, não cessa.

Bjs
Mima D.

sábado, 18 de agosto de 2012

Máscaras que caem

Quanto mais eu vejo as pessoas agindo de forma incoerente com suas palavras, mais eu percebo que sou muito inocente em acreditar que a verdade se sobrepõe aos interesses individuais.
Quando alguém quer algo, promete o mundo, usa palavras adequadas, faz o impossível. Quando este mesmo alguém consegue o que queria, as coisas mudam, da água pro vinho. E aí, o que foi dito perde o significado para ela.
Mas aí eu lembro mais uma vez de um ditado: o mundo dá voltas.
Um dia o que está no topo volta pra base. E nesse dia, pelo menos eu, não vou me arrepender de ter agido de acordo com as minhas palavras.
Quem é importante pra mim, eu digo, eu demonstro, eu sorrio, eu ajudo. Mil vezes. Mas pra nada disso precisa me enganar e fingir ser o que não é. Porque fatalmente, a verdade aparece, e nesse dia, você perdeu tudo que poderia ter.
Semana de muitas "novas visões de vida". E tenho dito.
Bjs
Mima D.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Considerações

Hoje li um post da Mi e resolvi escrever uma coisa que, embora não tenha a ver estritamente com o post dela, tem a ver com algo que ando sentindo.

Se as pessoas lembrassem do quanto o mundo dá voltas, elas jamais ignorariam o passado ou desprezariam os momentos em que eram aprendizes antes de serem especialistas.
Melhor mestre é aquele que aprende com seus alunos e tem a humildade de reconhecer que muito pouco sabe diante da vida.
Que valoriza cada indivíduo que esteve ao seu lado na caminhada rumo ao sucesso.
Que não faz da sua memória um quadro onde só constam as anotações do presente.
O mundo gira, e no momento em que o topo voltar a ser base, talvez não encontre as mesmas pessoas dispostas a ajudar...
(Recado pra todos que se sentem o máximo porque conseguiram uma estrelinha... O céu tem muitas outras pra serem conquistadas, vale lembrar...)
Infelizmente eu vejo que as pessoas andam com memória seletiva e conveniente... Mesmo que quem precise não leia isso, espalhar essa ideia me ajuda a continuar no meu caminho de não esquecer quem me ajudou quando eu precisei pra chegar onde estou... Gente que deixa uma estrela ser mais importante que o céu me faz ter pena e não mágoa...

E completando este raciocínio, vale ler o post inteiro dela...

"Eu não sou uma pessoa competitiva. Nunca fui. Tampouco disputei algo com outra pessoa, seja emprego, homem, papel principal em peça de teatro, atenção. Nada. Todas as minhas conquistas vieram porque tinham de vir. E as perdas, algumas vieram porque joguei a toalha e me recusei a entrar no ringue.(...)
Por que penso assim? Sempre haverá alguém um degrau acima de nós. Sempre haverá alguém um degrau abaixo de nós.(...)
A sua perna não alcança a sua orelha? A da Natalia Makarova também não. Você não é en dehors? Margot Fonteyn também não era. Você não é alta e esguia? Anna Pavlova também não era. Você não é bela e, além disso, é vista como uma bailarina mediana? Agrippina Vaganova te entenderia.
Todas fazem parte da história do ballet clássico. Mas em vez de chorarem pelos cantos, foram atrás daquilo que as fazia singulares, únicas, artistas incríveis. Trabalharam para isso. E quem está focado no próprio caminho não tem tempo de olhar para os lados.
Sinceramente? Estou cansada de pessoas que passam a vida contabilizando os próprios feitos, como se estivessem eternamente em uma acirrada competição. Suba no palco e dance. Dance! É ali que reside a alma de um artista de verdade. E isso nem todo mundo está preparado para ser." Cassia Pires 

Bjs
Mima D.

PS: Muita coisa está acontecendo, e voltar a dançar tem sido um prazer em meio às mágoas e dores que andam me acometendo...

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Liberdade em tons de alegria

E porque a liberdade  era um presente há muito desejado, ela aceitou e chorou.
Colocou pra fora boa parte da dor que sentia, dos momentos difíceis que passou, e prometeu a si mesma que ia tentar ser feliz.
Disse em meio às lágrimas que ia viver pra si e que não ia permitir se maltratar novamente.
E pincelou de leve o sorriso no rosto pra combinar com sua vida nova que despontava ali na esquina, e que ela ia buscar...
Bjs
Mima D.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Dia do Amigo

Este vai ter um sabor especial, neste mundo virtual...
Flor, Amélie, Daniii, Lilly, vocês são mais que especiais para mim, e são o motivo por eu jamais me abandonar.
Feliz dia do amigo pra vocês.
E obrigada por tudo!!!
Bjs
Mima D.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Tudo passa

Tirado de um post da Laély (Sala da La) , e que eu preciso me esforçar para não esquecer...

 "Agora, já sabe; às vezes, você acorda feliz – se nem saber por quê -, sai de casa, na primeira esquina tropeça e fica no pior humor da vida. Já dia seguinte, acorda péssima, o telefone toca alguém de quem você gosta, e a vida se torma, de repente, boa de ser vivida.

É essa certeza de tudo pode mudar em minutos, segundos, que nos ajudam a segurar a onda quando tudo fica difícil.

Se as coisas estiverem indo mal, pense em quantas outras ocasiões elas estiveram tão mal quanto, ou até pior, e tudo passou.

Não, não reclame, não chore, não se descabele, apenas espere;  se possível, com aquela quase indiferença que já viu tantas vezes nos olhos dos mais velhos, que sabiam que ia passar – porque sempre passa.

Essa indiferença pode ser chamada de sabedoria ou experiência, o que, no fundo, é mais menos a mesma coisa."

                              (Danuza Leão, Revista CLAUDIA,  julho  de  2012.)

segunda-feira, 16 de julho de 2012

O abismo não tem fundo

E porque eu caí, e continuo caindo, é que eu percebo isso.
Mas não importa, sei que uma hora isso acaba, e como o mar é meu lugar, sei que este abismo tem água no fundo.
E é nesta água que vou me recompor, ressurgir, afundar e de novo emergir, revigorada, plena, realizada, forte.
E mostrarei a quem amarrou a pedra ao meu pescoço para que eu afundasse, que eu sou mais que isso.
Não gosta do que eu escrevo? Acha que são as minhas palavras que prejudicam uma imagem deturpada que acredita ser perfeita de um negócio que não é o mesmo de 30 anos atrás? OK.
Fique com a imagem, com o negócio, com os clientes errados, com os funcionários displicentes.
Mas não me humilhe, como fez, na frente de todos, só para impor sua posição.
Porque eu sei das minhas falhas, mas também sei da minha capacidade. E se as minhas palavras lhe incomodam, acredite, minha ausência para fazer as coisas acontecerem será muito mais danosa.
O que os clientes pensam? Sinceramente, hoje eu não dou a mínima.
Infelizmente do sobrenome eu não posso me livrar, mas a partir daquela segunda feira que fui tratada como alguém que só traz prejuízo, que é imatura, infantil, e que expõe ao ridículo um lugar perfeito, eu me livrei deste lugar que me fez mal.
É complicado não trabalhar, principalmente pra mim, que dediquei 16 anos da minha vida àquilo. Mas certamente é menos doloroso que a lembrança do que me foi dito, em voz alta para impor uma autoridade sem sentido.
Não desejo mal, porque infelizmente ainda amo muito duas pessoas que deixo ali. Mas de mim não contem mais com o apoio. Não contem mais com a boa vontade, muito menos com a dedicação, e nunca mais com o trabalho.
Se acha que o que eu escrevo denigre a imagem perfeita do seu trabalho, vejamos se a falta do meu trabalho em silêncio, sem sorrisos, sem ser sociável, mas sempre competente e prestativa não trará muito mais prejuízos.
Muita coisa vai mudar. Pra mim sobretudo. Dinheiro, casa, padrão de vida, ritmo...
Mas se tiver que ser, vai ser.
Nunca pensei que teria que ser assim, mas foi. E hoje tem quatro frases que precisarão virar lemas na minha vida:
O que é pra ser, vigora.
Há males que vem para o bem.
O melhor ainda está por vir.
Eu quero, eu posso, eu consigo.

Bjs
Mima D.

PS: Também tem muitas coisas boas que me aconteceram nos últimos tempos, e como a decisão de voltar a escrever aqui permanece, vou atualizando aos poucos isso...

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Morte lenta no abismo


Quando muito próximo do abismo, pular é quase uma constante.
No fundo, muito no fundo, eu já sabia que meu destino era saltar.
Sem asas, sem paraquedas, direto para o nada.
Só não acreditava que seria num dia como o de hoje, comum, numa manhã com outra qualquer.
Mas foi.
E eu sabia quais seriam as consequências de uma queda destas: dor, cortes, fraturas, sangue exposto, uma massa compacta de um nada disforme.
E a morte, que chega para aliviar o sofrimento.
Eu me aproximei do abismo e saltei.

E aceitei o meu destino.

(Mima D. 01/06/12)


segunda-feira, 21 de maio de 2012

Pular ou ser empurrada?


Por que não deixar tudo pra trás, recomeçar, abandonar o que faz mal, desistir de caminhos que não levam a lugar algum, largar de mão problemas sem solução, terminar assuntos que não tem mais importância, fechar portas, quitar dívidas, pagar promessas, atar pontas?
Porque tudo isso significa deixar de ser alguém a quem já se acostumou a ser, e reinventar alguém desconhecido, assustadoramente novo, impiedosamente diferente. E isso poucos de nós tem a coragem de enfrentar.
Mas a vida não quer saber se temos ou não coragem, se somos ou não capazes, se vamos ou não gostar do resultado. Ela nos empurra a isso. Ou melhor, ela nos deixa ir seguindo, para que tomemos a decisão por nós mesmos, até um certo ponto.
E quando chegamos neste ponto ela diz: ou você pula, ou eu empurro você pra mudança.
E, pelo menos até aqui, tenho percebido que a queda é muito mais dolorosa quando somos empurrados do que quando pulamos conscientes...
Bjs

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Reflexos


Alguma vez você realmente prestou atenção naquilo que me faz sorrir?

Observou aquilo que me dá alegria verdadeira, que me dá tanto prazer em fazer que abro mão daquilo que de mais valor tenho, que é meu tempo, para poder fazer?

Já conseguiu, em algum momento, ver em meus olhos um brilho tão intenso que só consigo quando realizo algo que quero muito, e que achava que não conseguiria, que não seria capaz?

Então não julgue meu mau humor, minha tristeza, meu olhar pesado, meu rosto cansado. Se não consegue (ou não se importa em) ver o que pra mim é o significado real das palavras FELICIDADE, REALIZAÇÃO, PRAZER, não saia por aí dizendo que sou uma pessoa ruim, que nunca está de bem com a vida, que é difícil de lidar, que não sabe conversar, que não se abre pra ninguém, porque não é verdade mesmo.

SOU O REFLEXO DAQUILO QUE RECEBO.

Bjs

terça-feira, 8 de maio de 2012

Quanto maior a expectativa, maior a decepção.


Tem dias que eu penso que eu espero demais, de todo mundo...
E estou sempre quebrando minha cara, sempre me decepcionando.
Sempre... eu espero as coisas mínimas, os gestos, as surpresas que eu sempre sou capaz de fazer pelo outro e isso nunca vem pra mim.
E vou me iludindo achando que um dia vai acontecer.
Mas só serve pra me convencer que eu não valho tanto assim pras pessoas se importarem, ou que seja, pra fazerem por mim, me surpreenderem, me encantarem...
Vida que segue.
Um dia eu aprendo.
Bjs

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Falta um dia

E por incrível que pareça, já se vão dois anos.
Dois anos que comecei a escrever aqui.
Dois anos que prometi mudanças - que não aconteceram.
Dois anos que juro que vou me machucar menos.
Dois anos que acredito que vai ser possível ser feliz.
Dois anos que a vontade de ficar bem existe, mas que as ações não correspondem a isso.
Dois anos que criei um espaço pra exorcizar meus medos, expandir meus horizontes, buscar forças pra continuar.
Dois anos em que nada disso aconteceu e que eu continuo atada aos nós que eu mesma amarrei, e que só fazem criar feridas ainda maiores em mim mesma.
Não vai mudar nada em um passe de mágica de hoje para amanhã.
Mas eu gostaria muito de acreditar que amanhã vou acordar e que minha vida vai ter algo de bom me esperando e dizendo: valeu a pena você esperar até hoje, porque agora o mundo é SEU pra ser FELIZ...
E hoje, a única música que me vem a cabeça é essa...
Bjs


WHY
How many times do I have to try to tell you That I'm sorry for the things I've done
But when I start to try to tell you That's when you have to tell me Hey...this kind of trouble's only just begun
I tell myself too many times Why don't you ever learn to keep your big mouth shut
That's why it hurts so bad to hear the words That keep on falling from your mouth
Falling from your mouth Falling from your mouth
Tell me...
Why Why
I may be mad I may be blind I may be viciously unkind But I can still read what you're thinking
And I've heard it said too many times That you'd be better off Besides...
Why can't you see this boat is sinking (This boat is sinking this boat is sinking)
Let's go down to the water's edge And we can cast away those doubts Some things are better left unsaid But they still turn me inside out Turning inside out turning inside out
Tell me... Why Tell me... Why
This is the book I never read These are the words I never said This is the path I'll never tread
These are the dreams I'll dream instead This is the joy that's seldom spread These are the tears...
The tears we shed This is the fear This is the dread These are the contents of my head
And these are the years that we have spent And this is what they represent
And this is how I feel Do you know how I feel? 'Cause I don't think you know how I feel
I don't think you know what I feel I don't think you know what I feel You don't know what I feel


sábado, 28 de abril de 2012

O que jamais passa por si só...

Esta noite eu tive um sonho, com alguém que entrou na minha vida e me mostrou o lado mais leve dela.
E o sonho foi bom, porque nele ele me contava sobre a felicidade de estar bem, de estar com alguém que fazia seus dias melhores, que tinha um sorriso que o encantava, que fazia os dias dele mais iluminados.
E eu fiquei feliz por ele. Muito. E por ela também, que foi um presente da Deusa na minha vida. Alguém tão parecida comigo, tão de gênio forte e atitudes sinceras quanto eu.
Fiquei feliz porque se antes o relacionamento deles era um motivo para me afastar de ambos, hoje, depois de tudo que vivemos em um único mês, a maturidade dele, o sorriso dela e a felicidade de ambos são o que mais me importam neste mundo.
Esse sonho me fez acordar com a sensação de que algo de bom realmente está reservado para os dois e que eles só precisam daquela dose a mais de paciência um com o outro pra fazer tudo dar certo...
(Momento sincero, honesto, mais que verdadeiro...)

Mas ao mesmo tempo esse sonho me fez chorar.
Não por eles, mas por mim mesma.
Por pensar que já faz muito tempo que não tenho ao meu lado alguém que demonstre se importar tanto com isso, que consiga ver minhas qualidades, que queira me conquistar dia após dia, que tenha medo de me perder.
Eu me vejo sempre cercada de pessoas, ajudando, fazendo com que elas fiquem bem, busquem o melhor, que sejam felizes, que sorriam, que encontrem alguém que lhes queira bem.
Sou companhia nos momentos de solidão, de desabafo, quando acham que o mundo está contra elas, ou quando já não tem mais esperanças que as façam continuar.
Sou aquela que não as deixa desistir jamais, porque sabe que tudo nesta vida sempre tem uma razão de ser, sempre tem um motivo mais forte, sempre merece uma segunda chance.
E ao mesmo tempo, quando fico sozinha, percebo que eu posso ser tudo isso, mas que estou exatamente assim: sozinha. Que as pessoas que poderiam, ou deveriam estar ao meu lado, me fazendo sentir tão especial, quanto eu faço por elas, que deveriam me ajudar a não cair, a não sucumbir nos piores momentos, simplesmente não estão.
Porque me faz ver que eu devo ser uma boa pessoa, mas não uma pessoa merecedora de alguém que goste de mim incondicionalmente, que me conquiste, que sinta a minha falta.
Meu jeito de ser que afasta os outros? Talvez. Mas se as afasta, então porque eu sou querida quando tenho a oferecer a palavra ou o carinho que dá a elas a paz, a coragem ou a alegria que elas tanto precisam?
Este sonho hoje me fez refletir sobre algo que já venho pensando ultimamente.
Que o anel errado tem permanecido por tempo demais no meu dedo.
Que tenho ido contra a minha natureza, e que tenho acreditado que o amor existe para mim, e que dele virá minha felicidade.
Meu destino não é esperar por isso.
Não é acreditar que um dia alguém vai saber respeitar minhas dificuldades, minhas limitações, meus desejos, minhas vontades, e que ainda assim vai me amar, vai sentir minha falta, vai me querer apesar de tudo.
Essa pessoa não existe para mim, não pelo menos nessa vida.
Que eu siga meu caminho buscando o poder pelo prazer, a realização pelas conquistas e a felicidade pelo mérito de ajudar as pessoas a se encontrarem.
Que eu não insista na dor da espera, no sofrimento da solidão, na angústia do desprezo, no remorso do abandono.
Que eu saiba viver sem esperas, apesar de sozinha, sem abandono, apesar do desprezo.

E acima de tudo, que eu me convença da minha missão, do meu destino, do meu caminho.

(Momento Lirith, de muita, muita dor por saber que nunca, nada será pra mim. Que apesar de tudo que faço, sempre vou ser boa, mas não boa o suficiente pra merecer ser feliz.)

Constantemente abrindo mão dos meus sonhos pra que todos fiquem bem.
Deixando de lado o que me permite estar viva pra que ninguém precise sofrer.
Me antecipando a "não-infelicidade" alheia às custas da minha dor presente.
É o anel de Mártir que não sai do dedo mesmo...
E o da Bruxa fica jogado no canto, esperando que um dia eu pare de ir contra minha natureza e aceite que ele é o único que não me machuca...
(Inspirada sempre por P.C., enlouquecendo por dentro...)

”Talvez eu até esteja errada, mas que se dane. Se uma pessoa não tem paciência nem pra conquistar minha confiança e afastar meus medos, o que eu posso esperar então? Sou quebra-cabeça de 500 mil peças, quem não tiver capacidade, tenta um jogo mais fácil. Eu supero e agradeço.”
(Tati Bernardi)

"Não vou mais ficar parada aqui, deixando a vida passar sem fazer nada. Não vou ficar me lamentando por coisas que não deram certo. Não adianta ficar chorando por pessoas que passaram e não ficaram. Esta na hora de dar um novo rumo, viver novas histórias, conhecer novas pessoas. E eu estou disposta a isso."

Bjs

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Será mesmo?


But somewhere along the line, you changed.
You stopped being you. 
You let people stick a finger in your face and tell you you're no good.
And when things got hard, you started looking for something to blame, like a big shadow. 
Let me tell you something you already know. 
The world ain't all sunshine and rainbows. It's a very mean and nasty place and I don't care how tough you are it will beat you to your knees and keep you there permanently if you let it. You, me, or nobody is gonna hit as hard as life. 
But it ain't about how hard ya hit. 
It's about how hard you can get it and keep moving forward. How much you can take and keep moving forward.
That's how winning is done! 
Now if you know what you're worth then go out and get what you're worth. 
But ya gotta be willing to take the hits, and not pointing fingers saying you ain't where you wanna be because of him, or her, or anybody! 
Cowards do that and that ain't you! 
You're better than that!
 
(Rocky Balboa)

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Atos falhos


Há pessoas em que acredito.
Há pessoas em que confio.
E há pessoas que eu amo.
As últimas jamais deveriam me permitir desacreditar delas. E menos ainda deveriam me fazer desconfiar do que me dizem.
Sentimentos, palavras e atitudes são complementares.
Incomoda por dentro perceber que nem todo mundo dá valor ao que deveria e finge ser o que não poderá jamais oferecer.
Não acredite no que falam. Creia no demonstram nos momentos em que acham que ninguém as observa.
E ame menos quem não merece.
Ou não ame mais.

Bjs

segunda-feira, 23 de abril de 2012

23/04/2012

A crença cabe a cada um.
As minhas armas nesta batalha chamada vida, sou eu quem escolho.
E ao meu lado, que estejam todos que me protegerão e me acompanharão para alcançar o caminho do bem.
Sua força é quem me guia.
Sempre.
Salve!

"Ó São Jorge, meu Santo Guerreiro, invencível na fé em Deus, que trazeis em vosso rosto a esperança e confiança, abre meus caminhos.
Eu andarei vestido e armado com vossas armas para que meus inimigos tendo pés não me alcancem, tendo mãos não peguem, tendo olhos não me enxerguem e nem pensamentos possam ter para me fazerem mal.
Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrarão sem ao meu corpo chegar, cordas e correntes se arrebentarão sem o meu corpo amarrar.
Glorioso São Jorge, em nome de Deus, estendei vosso escudo e vossas poderosas armas, defendendo-me com vossa força e grandeza.
Ajudai-me a superar todo desânimo e a alcançar a graça que vos peço (que jamais eu desista sem meu objetivo alcançar, que eu não conheça a tristeza da derrota e sim o entendimento de que aprendi, que eu busque o caminho da retidão e da bondade sempre).
Dai-me coragem e esperança, fortalecei minha fé e auxiliai-me nesta necessidade."

Que assim seja, para todo sempre.

 link da foto

Bjs

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Duas inspirações na sexta feira 13

A Lilly, do "Isto é coisa de Lilly", é uma das que me inspiram sempre a não desistir, e o post dela hoje foi mais que perfeito pra avivar boas lembranças e bons sentimentos dentro de mim:

sexta 13, sexta de sorte.
(com a sua permissão, Lilly, um trecho que me fez abrir a minha caixinha...)
"pois as lembranças são assim: a gente as guarda lá, num canto do cerebro, do coração, ou seja lá onde voce as guarda (de repente é numa necesseire com estampa de onça); whatever, o importante é que ao destampar aquele frasco, as lembranças voltam com a mesma intensidade do momento em que foram criadas."

E o outro texto, é dele, como sempre, Paulo Coelho.

Sobre o ritmo e o Caminho

“Demorei mais que os outros, tive que andar sozinha por muitos trechos, mas foi só porque respeitei meu próprio ritmo que consegui completar o caminho. Desde então aplico isso a tudo que preciso fazer na vida: respeito o meu tempo”.


Bjs

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Por que, para que, para quem?

De que adiantam conquistas, vitórias, alegrias se não há com quem dividi-las?
Pra que ser feliz, se ao final o erro é meu por estar assim?
Pra que honestidade, se o que vale mesmo para o mundo é o sorriso no rosto, a vidinha mais ou menos, a sociabilidade com estranhos?
Altos, baixos, altos, mais baixos ainda... Quanto maior a altura, maior a queda. Quanto maior a felicidade, maior é o fundo do poço.
Vai passar, porque sempre passa, não é mesmo?
Me afastar, me encolher, me esconder em mim mesma já não tem resolvido.
A vontade é de continuar fazendo o que me dá prazer, o que me deixa bem, o que me faz sorrir.
Mas isto significa aceitar que podem existir mentiras, mágoas, desonestidade nas relações, interesses e não sinceridade.
Me faz mal pensar assim. Me arrebenta por dentro saber que não há verdade nos sorrisos, nem nas palavras.
E daí o caminho se divide. E eu paro na divisão. Indecisa, assustada, sozinha.
Me imobilizo, me detenho, não sigo adiante.
"Começar o dia amando mais a mim mesma. Eu quero ser feliz agora."
Por que é tão difícil? Para quem eu continuo mentindo além de mim mesma? E para que as mentiras se, ao final, eu nunca consigo estar certa, o importante é mesmo sorrir e usar a máscara da "pessoa que está bem".
Falta pouco menos de um mês para um aniversário que eu quero muito comemorar, como eu quis o do ano passado e não o fiz. Mas este ano precisa ser diferente. Será diferente.
Encerrar ciclos. Etapas. fases.
Deixar pra trás o que me faz mal, seguir pelo caminho do que me faz bem.
VIVER não para os outros, mas para mim mesma.
Tentando repetir que Lirith é quem deve me governar a partir de 03/05/2012. Que dela virá toda força que ainda não tenho para ser aquilo que posso ser.
Nunca os dias foram tão difíceis de sobreviver. E nunca estive tão perto de me abandonar.
Bjs


quarta-feira, 4 de abril de 2012

Errar é humano. Persistir no erro...

E... as pessoas enganam a gente uma vez.  Na segunda nós que nos enganamos

Fazem a gente acreditar na mentira que contam como se fosse uma verdade sem questionamento. 
Nos fazem acreditar que realmente temos um "quê" de especial na vida delas. 
E um belo dia a máscara cai e vemos que a conversa é a mesma pra qualquer um, desde que atenda as necessidades dela. 
Daí recuamos e juramos não acreditar mais em mentiras como estas. Nem desta pessoa, nem de nenhuma outra, porque nos enganaram. 
Só que não conseguimos, e então passamos nós mesmos a nos enganar, fingindo que com outra pessoa não é a mesma coisa, que ela está sendo sincera... E claro que isto não dá bom resultado... Nunca dá.

Definitivamente eu não entendo o comportamento humano. Pra que certas atitudes em situações em que se tudo quando tudo parecia estar bem? Quando a vida nos dava a oportunidade de criar amizades divertidas, sem o compromisso formal das mentiras societárias? Por que dizer que um sorriso lhe encanta o dia e é especial demais quando na verdade é capaz de repetir essa mentira a todas as pessoas que lhe forem convenientes?

Enfim... Cada um colhe aquilo que planta. 
Não dá pra pensar que plantando erva daninha vamos colher rosas, como também semeando mentiras dê pra colher sorrisos.

Desapontamento em grau alto...
Mas é isso aí que faz a gente aprender. E crescer. E não repetir o mesmo erro.

Bjs

(Daniiii, Flor, Viih...Eu quero tanto aquele encontro pra desmontar as barreiras físicas que nos separam. Tomar um café com vocês e sentir que a vida me dá sempre o presente de ter almas boas ao meu lado que jamais vão me deixar cair no abismo...)

terça-feira, 3 de abril de 2012

Acreditar

Já acreditei em muita gente. E já quebrei a cara muitas vezes.
Mas infeliz, ou felizmente, nao sei, ainda não perdi essa minha ingênua capacidade de crer no outro.
Quero muito não estar enganada mais uma vez, quero muito acreditar que a felicidade em me ter por perto (fazendo aquilo que pra mim é quase como respirar, de tão importante na minha vida) é real.
Quero ter fé nas palavras:
"Eis que vem um vento e te traz a esperança de que ainda podem surgir algumas boas...", "com vontade, sem obrigação nenhuma, sem pressão, sem ligar para nada", e principalmente "ME FAZ BEM".
Preciso confiar que isso não é mais só um amontoado de palavras sem significado algum, ditas por quem tem apenas interesse (no pior sentido que esta palavra pode ter) por si mesmo.
E preciso, acima de tudo, lembrar que não posso julgar o todo por algumas individualidades.
Tem gente por aí que não sabe dar valor? Tem, muita.
Mas também tem gente que quer o nosso sorriso mais bonito simplesmente porque assim eu torno o dia (ou a noite, ou a madrugada) desta pessoa mais feliz.
Há alguns dias eu achava que não era possível.
Hoje, mais que tudo neste mundo, eu quero novamente acreditar.
E implorar por mais nenhuma decepção, e para que tudo só faça melhorar.
Eu acho que mereço isso.
Nós todos merecemos.



Bjs

sexta-feira, 30 de março de 2012

Como seguir adiante apesar do mundo

Por que não dá pra ser fácil?
Por que tem que doer, matar, morrer?
Tudo está tão, mas tão doído, magoado, que parece que vai arrebentar.
Vontade de morrer não há mais, depois de tantos pedidos pra que me tirassem a vida, achei melhor não insistir no pedido pra não ser atendida.
Mas vontade de largar tudo, de sumir, de ouvir minha razão e mandar pro inferno tudo que me faz mal, me adoece, me malltrata, ah, isso existe demais.
E daí que chego no único lugar onde deveria me sentir segura, em paz, refugiada dos problemas e só encontro a agonia de mais situações não resolvidas.
E a vontade de morrer volta, mesmo sabendo que ela não vai solucionar os problemas.
Me sinto a pior das criaturas, me sinto sendo injusta com as pessoas que estão a minha volta, afinal elas só querem meu bem e esperam de mim uma retribuição tão pequena: a felicidade de tê-las ao meu lado, que eu devo me senti grata por elas estarem ali.
Mas tudo que eu gostaria era de estar sozinha. De ser fiel às minhas próprias vontades, de me sentir viva porque estou fazendo aquilo que me dá prazer, de ser feliz por ser feliz, de não ter que atender às necessidades alheias...
Estar sozinha tem milhares de consequencias negativas, mas quando já não aguento mais os mínimos comportamentos do outro que eu esperaria que não fizesse, que talvez nem fizesse se não estivesse no mesmo espaço, ou que não faria se demonstrasse o mínimo de preocupação em me manter apaixonada.
Só que o que realmente importa é que eu esteja ali. E eu sempre estou. E quando não estou, me culpo, me acuso, e volto a estar, mesmo contrariada.
Então, pra que as pessoas precisariam se esforçar pra me ter ao lado delas? Por que o esforço de me conquistar se eu estou sempre disponível, aberta para o que me pedem, sempre solícita pra ajudar.
Me amar não tem sido fácil. Não me sinto digna disso. E claro que se eu não quero ser feliz, ninguém poder fazer isso por mim. E assim os dias vão passando e eu vou sofrendo, dia a dia, pra aprender que eu sou cada vez menos. Cada vez mais dispensável, cada vez menos.
Eu quero a liberdade pra ser feliz. Quero minha fida novamente. Quero me sentir importante, especial, amada, essencial pras pessoas.
Só quero poder ser eu mesma e voltar a me sentir bem com isso.
Dói. Muito.
Sandra por dentro.
E eu não consigo me mover.
Não sei mudar o rumo deste barco que navega pro abismo.
"Eu quero ser feliz agora." "A vida quis assim" 'Comece o dia amando mais você"
Não quero mais continuar.
Me deixe parar com isso tudo. Tudo.

Bjs

segunda-feira, 26 de março de 2012

Aquilo que me mantem viva

Por que eu danço?
Porque, para mim, dançar é manifestar a música que toca na alma e transborda em cada movimento. Sem dançar minha vida fica um pouco em preto e branco, desbotada, sem cor. Dançar é usar pincéis com cores fortes e alguns tons suaves para demonstrar toda beleza que há em uma música.
Por que eu danço?
Porque só a dança é capaz de me transportar pra um mundo perfeito, insistentemente belo e infinitamente maravilhoso.
Eu danço porque na dança me realizo, me completo, me encontro, me inspiro, me motivo. Eu danço porque na dança eu vivo uma plenitude inexplicável.
Por que eu danço?
Porque para mim a dança é VIDA. E sem ela, eu apenas existo.





(by MG, mas inspirada por um fim de domingo VIVO ao lado de LucasGrazielle e Yuri, e também por uma conversa na sexta com Ana Carolina Xuxu e eternamente pelas aulas da tia Michely e a insistência dos professores Garrido e Cristiano Pereira)
 

terça-feira, 20 de março de 2012

Pedir ajuda, receber algo

"Tenho conhecido ao longo da vida muitas pessoas que se preocupam com os outros, que são extremamente generosas na hora de dar e que encontram um profundo prazer quando alguém lhes pede um conselho ou apoio. até aí tudo bem - é ótimo poder fazer o bem ao próximo.

Entretanto conheço muito poucas pessoas que são capazes de receber algo - mesmo quando lhes é dado com amor e generosidade. Parece que o ato de receber faz com que se sintam numa posição inferior, como se depender de alguém fosse algo indigno.

Pensam: "Se alguém está nos dando algo, é porque somos incompetentes para consegui-lo com o proprio esforço." Ou então: "A pessoa que me dá agora um dia irá cobrar com juros." Ou ainda, o que é pior: "Eu não mereço o bem que me querem fazer.""

(Paulo Coelho, em "O Aleph". De novo, e de novo, e de novo...)

Hoje eu tenho vontade de parar o mundo. E descer pra nunca mais voltar.

Bjs

segunda-feira, 5 de março de 2012

Males

Meu grande mal é guardar as coisas dentro de mim.
Remoer, conservar, nutrir, acalentar.
Tanto as boas quanto as ruins.
As boas muitas vezes me confortam, me dão esperança, me fortificam, porém as ruins, como hoje, brotam com espinhos que rasgam o peito e ferem até mesmo os sentimentos mais resistentes.
E envenenam, apodrecem, mancham e sufocam todo o resto.
Por mais que eu continue na luta diária de buscar a paz, interna e externa, as coisas ruins tomam proporções gigantescas, as palavras ditas e ouvidas sacrificam toda tentativa de não deixar a tristeza tomar conta do peito.
Melhor são aquelas pessoas que explodem, que brigam na hora da raiva, que choram, mas que depois arrefecem e acalmam os dois lados.
Eu não aprendi a ser assim. Aprendi a vida inteira que o bom era ser centrada, não brigar, não chorar, não demonstrar o que incomodava. Mas chegou o momento em que que a represa não aguentou, inundando o mundo a minha volta com dores, mágoas e lágrimas contidas por anos, me causando doenças e males que não consigo curar de vez.
E ainda faço pequenos reservatórios, que não suportam tanto quanto a represa, e volta e meia deixam vazar.
Querer o bem dos outros, o melhor, o que os fará crescer, e ter que ouvir que eu quero que sejam iguais a mim, que não sei falar, só reclamar, que se as pessoas não fazem como eu acho que é certo eu não fico satisfeita, tudo isso machuca e eu aguento.
É assim que tenho vivido.
Mas quando o reservatório transborda, as pessoas não aceitam.
E é neste momento que eu me encontro. E está doendo muito. Muito mesmo.
Bjs

quinta-feira, 1 de março de 2012

"O Rio de Janeiro continua LINDO" *

Hoje minha cidade faz 447 anos.
Não sou utópica nem indiferente aos problemas que ela tem.
Mas não tenho como dizer que a Cidade do Rio de Janeiro ganhou o título de maravilhosa à toa.
É linda. Continua linda.
É o Meu Rio de Janeiro. O Meu Lugar.
(Esse post é uma pequena homenagem ao aniversário da Cidade Maravilhosa, mas também uma dedicatória a um amigo que mesmo morando há mais de dez anos em Curitiba, não troca o amor ao Rio por nada... Mesmo que ele não passe por aqui, Márcio Renato é a fonte inspiradora desta declaração de amor ao Rio de Janeiro.)

E dentre tantas músicas e fotos que poderiam ilustrar este post, escolhi estas porque mostram um pouco do que quero dizer.

Bjs
















(daqui)


Aquele Abraço
"O Rio de Janeiro continua lindo
O Rio de Janeiro continua sendo
O Rio de Janeiro, fevereiro e março

Alô, alô Realengo, aquele abraço
Alô torcida do Flamengo, aquele abraço
Alô, alô Realengo, aquele abraço
Alô torcida do Flamengo, aquele abraço

Alô moça da favela, aquele abraço
Todo mundo da Portela, aquele abraço
Todo mês de fevereiro, aquele passo
Alô Banda de Ipanema, aquele abraço
Meu caminho pelo mundo eu mesmo traço
Monobloco já me deu régua e compasso

Quem sabe de mim sou eu, aquele abraço
Pra você que meu esqueceu, aquele abraço
Aquele abraço, aquele abraço
aquele abraço, aquele abraço"


* Aquele abraço - na voz de Tim Maia.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Lirith

Que ela seja a força capaz de me guiar através dos dias escuros.
Que dela nasça - ou renasça - a sabedoria que habita em mim e que insisto em sufocar.
Que não seja ela apenas uma marca no meu corpo e um desejo do meu coração, mas sim uma vida nova que se mostra pra mim.
Que a maturidade venha acompanhada pela doce presença da infância, ambas de mãos dadas com ela, para que eu possa enfim me sentir livre de tudo que me acorrenta a este padrão que me imponho há anos.
Que a feminilidade que começa a despontar seja louca, intensa e sem pudores, e que a vida me permita através dela ser tão feliz quanto possível.
Que os receios fiquem no passado, que a loucura seja mais presente, que eu me reconheça nos medos, mas que saiba enfrentá-los tocada pela coragem dela.
Que Lirith esteja presente em cada momento do meu dia, em cada segundo da minha existência, sendo minha guia mestra nos caminhos do desconhecido.
Que eu saiba aceitar seus mistérios, respeitá-los e me sentir tocada por cada um para que eu possa vivê-los plenamente.
Minha vida já lhe pertence desde o dia em que decidi que assim permitiria.
Estampei em mim essa crença com a coragem de uma marca permanente, devo agora estampar nas minhas atitudes esta mesma marca, com igual coragem.
Que ela me mostre o que deve e será mudado. O que tem que ser banido. O que precisa ser aceito. O que tem que ser conquistado.
O que é pra ser, vigora.
Minha doce Lirith, seja bem vinda. A casa sempre foi sua, e hoje, mais que nunca, as portas estão abertas.

Bjs

PS: Hoje o post é um pouco confuso, mas é para mim mesma, como uma forma de lembrar que o dia da mudança se aproxima, e que mais que nunca eu devo começar a sentí-la, e aceitá-la, antecipando o momento inicial/final em 03/05/2012.


sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Tô voltando

Eu tô voltando, e pra ilustrar bem isso, nada melhor que um samba...

Bjs

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Montanha russa

Há vida enquanto há esperança.
E quando ela não mais existe?
E quando a sombra da felicidade paira sobre nós e nada acontece porque ela é apenas isso: uma sombra?
E eu que pensava que merecia viver bem. Ser feliz.
Que estava conseguindo lutar o bom combate e me colocar no lugar certo, me aceitar e conseguindo ficar bem PARA MIM.
Mentira, mentira, mentira.
"Está tudo bem". A mancha salta novamente na roupa da minha vida. Ou melhor, derramam um pouco mais de tinta quando eu achava que estava fazendo com que ela clareasse.
E eu repito mais uma vez: está tudo bem. E minto, colocando o sorriso pra não reclamarem do meu mau humor.
Mas hoje está mais difícil, nem as lágrimas querem ficar guardadas. A dor chega a ser física. O aperto no peito, a tristeza profunda, a mágoa das palavras que sempre acho que não mereço ouvir.
Está tudo bem. Apenas as reações não acompanham o que as palavras dizem.
Mas está tudo bem. Está tudo bem. Está tudo. Está.
Bjs

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

A vida quis assim

Música do dia...
Frase pra vida: Comece o dia amando mais você!



Bjs

PS: Essa outra música, também do novo cd, é tão perfeita quanto para este momento...

Eu quero ser feliz agora

Se alguém disser pra você não cantar
Deixar seu sonho ali pro um outra hora
Que a segurança exige medo
Que quem tem medo Deus adora
Se alguém disser pra você não dançar
Que nessa festa você tá de fora
Que você volte pro rebanho.
Não acredite, grite, sem demora...
Eu quero ser feliz Agora (2x)
Se alguém vier com papo perigoso de dizer que é preciso paciência pra viver.
Que andando ali quieto
Comportado, limitado
Só coitado, você não vai se perder
Que manso imitando uma boiada, você vai boca fechada pro curral sem merecer
Que Deus só manda ajuda a quem se ferre, e quando o guarda-chuva emperra certamente vai chover.
Se joga na primeira ousadia, que tá pra nascer o dia do futuro que te adora.
E bota o microfone na lapela, olha pra vida e diz pra ela...
Eu quero ser feliz agora (2x)
Se alguém disser pra você não cantar
Deixar seu sonho ali pro um outra hora
Que a segurança exige medo
E que quem tem medo deus adora
Se alguém disser pra você não dançar
Que nessa festa você tá de fora, que volte pro rebanho.
Não acredite, grite, sem demora...
Eu quero ser feliz Agora (3x)


quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

03 de Maio. Mesmo.

Este é o nome do blog.
Este é o ano que completo 36 anos, e de acordo com uma numerologia muito minha, duas vezes meu número, dando três vezes ele mesmo.
Dia do aniversário exatamente igual ao dia de nascimento.
Nada vai ser ao acaso. Tudo terá seu propósito.
Intenso. Pleno.
Permanentemente mutável. Definitivamente necessário.
Assim será.
Bjs


terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Mais um dia

Hoje na madrugada a lua cheia me trouxe uma estranha sensação de plenitude e impotência.
Plenitude por saber que o que tem que ser feito, será.
E impotência porque não consigo fazer o que deve ser feito logo.
E tudo em volta insiste em me mostrar que o tempo/lugar onde estou não é o meu, e que preciso me mover, caminhar, fazer a roda girar.
E eu presa ao medo. Ao desespero de não ter dado certo. De não me adequar. De não ser o que esperavam de mim.
Mais um dia em que as nuvens dentro de mim insistem em esconder o lindo dia de sol que começa a despontar lá fora.
Mais um dia...
Bjs

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Mentiras

Nenhuma mentira é boa, mas existem algumas ainda piores.
A mentira ruim é a que contamos para nós mesmos.
A pior mentira é a que contamos para nós mesmos e, de tão insistente, acabamos por internalizá-la.
Porque ela mascara a verdade e o problema, e ao invés de buscarmos a solução, achamos que ele não irá mais nos incomodar.
E ela se torna uma mancha antiga numa roupa que, por mais que se esfregue, não se consegue remover.
"Está tudo bem." É essa a minha mancha. Minha mentira.
Pro mundo e pra mim.
Bjs


terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Tudo que tenho


Porque tudo que tenho são minhas dores.
E a certeza de que ninguém jamais as compreenderá.
E que serei sempre aquela com que é muito difícil, às vezes até impossível, conviver.
E como isso dói. Machuca. Fere. Arrebenta. Por dentro e por fora.
Hoje o dia está terminando mais que cinza.
Negro.
Bjs

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Das dores que sempre voltam

Abrindo um parênteses... O post hoje tem dois tons: um mais acinzentado, escuro, beirando o depressivo, e outro mais alegre, mais leve, pra não dizer que não falei de flores.
Mas o incômodo é grande com as coisas que não consigo resolver, então me perdoem as mágoas, elas necessitam ser destiladas...

A parte escura do post:

Ignorante. Difícil de lidar. Alguém que não conversa. Mal humorada. Grossa. Impaciente.
São tantas coisas ruins que falam que acabo acreditando. Com ele não tem sido difrente.
Eu vejo a vida dos outros andando e ele continua parado.
Muito por culpa minha que insisto em tomar a frente das coisas para que não deem errado e acabo não permitindo que ele aprenda. Mas ele també não se esforça pra isso.
Ele se acomodou, porque certamente é confortavel casa, comida, roupa, contas pagas, mulher, e muito pouca preocupação, ainda que a mulher esteja sempre enchendo ou controlando, dá pra aguentar.
E eu me culpo porque não dou a atenção, porque cobro demais, porque exijo que ele corra atrás, que batalhe, que me ajude, porque eu busco minha felicidade em coisas que não o incluem.
E não devia, porque qualquer um consegue enxergar que eu aguento muito mais do que devia, por tudo que eu passo.
Mas apesar de tudo eu ainda quero o bem dele. Ainda gosto da companhia, do carinho, só que não mais como antes.
Não há esforço pra me mostrar o porque eu devo continuar ao lado dele, não há esforço pra me fazer acreditar que ainda seremos felizes. Nem sei se algum dia de fato houve esse esforço, ou se sou eu que sempre insisti para que ele me fizesse acreditar nisso.
E durante estes oito anos eu passei por cima de muita coisa, me enganei acreditando que iria mudar, mesmo sabendo que de fato em alguns aspectos ele mudou, mas se comparado a tantos outros, não passa nem perto do que  poderia ser.
Me arrependo de assumir tudo. Me arrependo de buscar a felicidade fora. Me arrependo de continuar investindo em algo que não vejo futuro, pelo menos pra mim. Me arrependo de nunca tê-lo feito ver que a vida é dura lá fora, longe da minha proteção, e que ele não cresceu porque eu sempre o guardei das maiores decepções.
Ninguém passaria pelo que estou passando e continuaria ao lado dele. Tem momentos em que penso que devo ser muito idiota mesmo pra continuar suportando certas situações e acreditando que não sou merecedora de mais. Porém a vida toda eu acreditei que era pouco, que sempre devia ser mais porque nunca sou suficiente pra ninguém.
É uma estorinha que me repetiram ao longo destes 35 anos.
Com tanta gente dizendo que eu estou errada, um dia isso se guarda dentro de mim pra nunca mais sair. Por enquanto eu ainda tenho dúvidas. Eu ainda acho que não sou assim, e que tenho minhas qualidades.
Mas o dia em que eu tiver certeza, e não pairar sobre mim a sombra do descrédito, não creio que terá volta, e serei realmente esse alguém que não merece a companhia alheia, porque sou muito pouco e não valo a pena.


.....................



A parte mais leve do post:

A Flor, a Viih e a Daniii me acompanham no facebook, e volta e meia sabem das novidades. Inclusive foram elas que botaram muita pilha pra eu voltar a escrever. E a Lilly ama a dança tanto quanto eu. Então é pra elas este pedacinho do post, com os vídeos das apresentações no Espaço de Dança Cristiano Pereira, que me encheram de orgulho no final do ano passado, e que me fizeram sentir capaz de novo.
Foi um mês inteiro de muitos ensaios, de stress, de feriados na academia, mas também de muita diversão, e com a certeza de que se tiverem outros, e for convidada, estarei lá.
Feliz por saber que se eu quero, eu posso, eu consigo. Sempre.

O samba, destaque total na coreografia... E a vergonha a mil!!! (isso é problema dela...)

O soltinho, vesti azuuuuuul minha sorte então mudooooouuuu...

E o bolero, minha paixão sempre... Delírio....


Bjs






domingo, 22 de janeiro de 2012

Palavras-chave para 2012

Reencontros. Organização. Superação. Conquistas. Libertação.
Estas são minhas palavras-chave para o ano que está chegando ao final do seu primeiro mês.
Um começo relativamente confuso, mas com coisas que me fizeram mais uma vez parar e pensar que nada muda se eu continuar neste passo marcado, sem direção e acomodado.
O susto foi grande, mas teve resultado positivo.
Ninguém, nem mesmo as pessoas que teoricamente deveriam me apoiar incondicionalmente, foram capazes de olhar a dor, o sofrimento e a angústia que eu estava vivendo.
Não se impotaram se os meus momentos alegres eram reais.
Permanecem no erro de acreditar que eu sou uma pessoa essencialmente amarga, intolerante, intransigente, mal humorada.
Mas os melhores momentos são aqueles que compartilho com quem eu gosto, aqueles que me cobram não a presença apenas por ser necessário estar ali, mas sim porque sem a minha presença eles não se sentem completos.
Isso é que faz valer a pena viver. Superar mais um dia.
E é por isso que estou aqui de volta.
Porque o blog é meu encontro com aquilo que sei fazer de melhor. São as minhas palavras suturando os ferimentos da minha alma.
É novamente a minha vida passada a limpo.

E pra mostrar que as flores estão voltando a preencher o jardim, e que eu continuo semeando o que vale a pena, alguns dos meus melhores momentos:


A dança me move, me sustenta, me reanima. Aqui estivemos reunidos nas nossas apresentações para o Espaço de Dança Cristiano Pereira, na sua comemoração de 5 anos. Alunos, professores, bolsistas, tudo fez valer o trabalho e o stress de um mês de intensos ensaios.


  
  O Bolero, com Alan, que torna minhas aulas um suplício, mas que também sabe arrancar meus sorrisos quando quer. 

O Soltinho, com Márcio Paiva, nos divertimos muito!


E o Samba, a minha outra apresentação, com ele de novo, no meu mais que orgulhoso encerramento. :)


Eu e as "meninas" no já amado baile dos domingos no Governador Iate Clube (este foi o encerramento de 2011)



Outro grupo que me dá forças pra estar de pé às 5 da manhã e malhar todos os dias, ou como diria minha amiga Gisela, OS MELHORES ALUNOS DA MELHOR TURMA DE NATAÇÃO DA ACADEMIA
O meu motivo de viver está no sorriso do sobrinho mais lindo do mundo... como eu amo, desde o instante que soube que o reizinho Arthur viria consagrar nossas vidas


E estas são as minhas conquistas dos últimos quatro anos. Neste ano o objetivo é maior, fazer a Family Run CORRENDO (a inscrição já está feita) e quam sabe participar de outros circuitos, superando meus tempos a cada uma. Isso vai me ajudar a lembrar que não posso me abandonar mais uma vez e ceder ao conforto, e engordar, e viver sedentária novamente.



Já não quero mais pouco. Quero muito. Quero mais.
Quero ser eu mesma, e me orgulhar disso. E ser feliz, sem arrependimentos.
Quero chegar ao final e dizer que cada instante valeu. Foi bom, foi ruim, mas valeu.
Sem isso não tem porque dar mais nenhum passo.
E eu não quero parar de caminhar.
Bjs e sejam bem vindos de volta ao meu cantinho

PS: E pra fechar, um vídeo sobre motivação que me sacudiu hoje cedo. Algo pra ver e rever a cada vez que pensar em desistir. E eu não vou desistir.
video

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Abandono

Li esta semana.
Frase de Demi Moore, depois da sua separação:
"Sempre tive medo de ser abandonada, até ouvir um conselho precioso: Só as crianças podem ser abandonadas. Adultos não, porque eles tem escolha."
Pra mim, fez todo sentido.
Bjs

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Para minhas doces amigas

Como nada muda da noite para o dia, o guerreiro dá um novo passo em falso e mergulha mais uma vez no abismo.  Os fantasmas o provocam, a solidão o atormenta. Como agora tem mais consciência de seus atos, não pensava que isso fosse tornar a acontecer.
Mas aconteceu. Envolto pela escuridão, ele se comunica com seu mestre.
“Mestre, caí de novo no abismo”, diz. “As águas são fundas e escuras”
“Lembra-te de uma coisa”, responde o mestre.  “O que afoga não é o mergulho, mas o fato de permanecer debaixo d´água”.
E o guerreiro usa o resto de suas forças para sair da situação em que se encontra.



Daqui

Bjs
(Lembrei de tudo que a Flor de Lótus, a Amélie, a Verônica, a Cinthya e a Lilly sempre me falam nos momentos mais difíceis: Manter a cabeça erguida.)